As estatísticas do blog e o Autismo – um número crescente

Eienstein e Pacheco Leão no JBRJ maio 1925

O físico Albert Einstein, possivelmente incluído no espectro autista, e o então presidente do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Dr Pacheco Leão, em sua visita a este parque, em maio de 1925

Este ano de 2016 começou muito agitado nos bastidores. Em setembro, comemoraremos 130 anos do nascimento do Dr. Bach. Assim, muitas serão as iniciativas em homenagem ao fundador da Terapia Floral.  Algumas, eu já contava. Outras, vieram por demanda pública.

Explico: é que, todo ano, a equipe do WordPress,  servidor do meu blog, prepara um relatório das atividades, dos posts mais lidos e/ou comentados.

Ora, ano passado foi um ano de muita realização profissional. Difícil, até, dizer o que foi mais especial ou importante. Teve a palestra com Talita Lazzuri,  no Encontro da Associação Britânica de Essências Florais e Vibracionais ( BFVEA ), minha palestra, em Portugal,  na V Conferência da ENSEC, primeiríssima inserção das essências florais num cenário acadêmico ligado à Educação Emocional, os momentos maravilhosos do Treinamento de Campo, na Inglaterra, os cursos e palestras em Portugal, a vivência de observação de plantas no Jardim Botânico de Curitiba,  dentre tantos outros assuntos. No entanto, vocês podem imaginar quais foram os dois posts mais acessados do blog, em 2015?

Bem, em primeiríssimo lugar, a palestra sobre a pesquisa dos Florais de Saint Germain no Encontro da BFVEA, na Inglaterra. Em segundo lugar, ganhando de tudo mais que publiquei, em 2015, veio um post pequeno e simples, publicado em 2013, sem muitas informações, apenas com imagens de algumas flores importantes para este tema:  As essências Florais e o Autismo – um convite à vida na Terra (https://cosmosdrops.wordpress.com/2013/04/02/as-essencias-florais-e-o-autismo-um-convite-a-vida-na-terra/ )

Foi uma grande surpresa. Eu vinha acompanhando esta busca crescente sobre o tema, mas não tinha ideia quão grande ela era. Na verdade, foi uma triste constatação, não com relação as visualizações dos outros posts, mas porque isto revela o número crescente de crianças e jovens sendo diagnosticadas com o, agora, chamado TEA – Transtorno do Espectro Autista.

Qual a razão para este crescimento? Alguns apontam as vacinas da primeira infância, outros, fertilizantes, outros ainda, a genética. No entanto, na verdade, ainda não temos um consenso sobre as causas reais que levam ao surgimento deste transtorno.  Seriam estas meramente devido a agentes externos ou a fatores mensuráveis quantitativamente? Para quem conhece os fundamentos que regem a prática da Terapia Floral, certamente não é só isto.

Pesquisei sobre os dados mais recentes, no Brasil, mas não os encontrei. Numa publicação da Agência Senado, de 2014, consta uma estimativa de que mais de dois milhões de brasileiros convivam com TEA. Nos EUA, 1 em 68 crianças recebem este diagnóstico na faixa etária de oito anos. ( http://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2014/04/02/familiares-criticam-regulamentacao-da-lei-de-protecao-ao-autista )

No entanto, como fica a família daqueles que recebem um diagnóstico de TEA para seu filho? O quê esperar deste diagnóstico, visto que não temos como saber como o mesmo irá evoluir em nossos filhos? Que ajuda nosso País oferece a estas famílias, a estas crianças ou jovens?

A luta de uma mãe para criar seu filho autista e assegurar direitos, não só a ele, mas a todos que apresentam deste transtorno, resultou na Lei nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012 mais conhecida pelo seu nome: Berenice Piana (http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12764.htm ). No entanto, fazer valer esta lei não tem sido fácil, como mostra o link da Agência Senado supra-referenciado. A reivindicação por centros de saúde, diagnósticos precoces e tratamentos mais adequados, dentre outros, para este contingente de jovens,  continua.  Além disto, instituições que tentam suprir esta lacuna, muitas vezes, dependem do repasse de verbas do governo do estado ou das prefeituras de seus municípios e terminam fechando.

Assim, como podemos ajudar estas crianças, estes jovens, estas famílias?

Florais de Saitn Germain Aveia Selvagem Ameixa e Canela

Três grandes contribuições do sistema Florais de Saint Germain para os autistas – Aveia Selvagem, Ameixa e Canela

Há muito, insisto nos florais como uma ferramenta complementar na promoção da qualidade de vida de autistas e seus familiares. No entanto, muitos ainda desconhecem seus benefícios. O medo e os preconceitos, para experimentar algo novo, têm dificultado as pesquisas com as essências florais, no Brasil e no mundo.  Por outro lado, não dá para ficarmos parados diante deste cenário e o impacto que isto representa na vida de milhões de pessoas. Isto demanda uma ação movida pelo coração, pela compaixão, para vencer as próprias limitações, cruzar as fronteiras do que é conhecido e explorar estas novas ferramentas. O futuro do nosso planeta depende das crianças e jovens de hoje.  As essências florais já foram incluídas oficialmente na rede de saúde pública de alguns municípios e estados brasileiros. É preciso expandir esta rede e incluí-las numa abordagem transdisciplinar deste transtorno. Vamos agir com o coração? Vamos experimentar?

Museu do amanhã RJ

Museu do Amanhã, Rio de Janeiro – O amanhã depende das crianças e jovens de hoje

P.S – 1 – Conheça o Projeto Jardim Azul ( https://cosmosdrops.wordpress.com/projeto-jardim-azul/ )

Para quem quiser saber mais sobre este assunto, minha experiência com as essências florais e autistas está disponível no workshop abaixo:

https://blossomedu.com.br/as-essencias-florais-na-qualidade-de-vida-de-pessoas-com-transtorno-do-espectro-autista-e-seus-familiares.html

 

Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , , . Guardar link permanente.

5 respostas para As estatísticas do blog e o Autismo – um número crescente

  1. Acacia Valin Lopes disse:

    gratidão mestra amada!!!que delícia de matéria!!ainda farei Saint Germain!!estão chegando mães jovens e suas crianças para mim.tá chegando a hora!!Amo vc Rosana, doce e forte Rosana!!

    Acácia Valin – Terapia Floral

  2. Realmente tem aparecido muitos casos de autismo, no momento tenho uma amiga cujo filho está com 15 anos e agora está se tornando mais violento. Precisamos de informações como essas que você nos passa. É muito importante compartilhar experiências e resultados para que possamos ajudar essas famílias que sofrem tanto com esse transtorno. Gratidão Rô

  3. Querida Rosana, Merci de compartilhar sempre suas experiências. Quero dividir com você que aqui na Suíça o número de crianças com Syndrome d’ Asperger http://asperger.autisme.ch/syndrome
    vem aumentado cada vez mais, ja tratei de vários casos com considerável sucesso graça aos Florais!!! Os relatos são reveladores e só posso agradecer à esta Terapia de Amor e Respeito que é a Terapia Floral. Estendo à você também Rosana, minha infinita gratidão por ter me transmitido de maneira tão “apaixonante e entusiasmada” os ensinamentos fa Terapia Floral.
    Je t’embrasse fort! Saudades, Cris.

    • Rosana Souto disse:

      Minha querida Cris, você é meu orgulho aí na Suiça – uma semente do meu meu saber, que floresceu tão lindamente, dando seus próprios frutos. Infelizmente, aqui no Brasil, o número de diagnósticos de TEA tb tem aumentado bastante. Realmente, as essências florais são bênçãos para lidar com as manifestações deste transtorno. Um grande e saudoso abraço. Até mais!

  4. Pingback: Terapia floral ajuda pessoas com autismo – Grupo Healing

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.